Ao grande artista

Confesso que fiquei extremamente deprimida com a notícia da morte do multifacetado e amado Lula Côrtes. Sinto-me privilegiada por ter conhecido a figura inesquecível que ele foi e por ter produzido um documentário, que no final das contas, rodou e fluiu na melodia das palavras e da voz dele. Poucas pessoas foram tão gentis e sinceras comigo. Raras têm ou tiveram a capacidade artística -enorme- e criatividade que ele tinha. Aquilo sim era ser artista. Ser por inteiro, o dia todo e não só em momentos de apresentações ou lançamentos. Fora que era um charme mesmo com a idade que tinha, as dificuldades da doença que teve e a vida desregrada livre que levou. Foi charmoso até me roubando um beijo estalado na bochecha em troca de uma foto sorridente ao meu lado. Foto essa que guardo até hoje com o maior carinho do mundo, assim como o documentário e a lembrança de um ser humano extraordinário. Não sei como expressar a dor que ainda sinto... Não tenho mais palavras, só lágrimas. Lembro da última coisa que eu disse depois do nosso último dia de filmagem.

"Estou apaixonada por esse homem e com uma inveja louca da história de amor e cumplicidade que ele teve com Kátia..."

Inefável Lula Côrtes.

Minhas sinceras condolências aos familiares dele, especialmente aos que conheci. Os filhos, a ex-mulher, Kátia Mesel, todos. Se a dor dessa perda para mim é lancinante, só me resta imaginar o que eles estão sentindo. Deixemos que o luto tome conta de nós pelo tempo que for preciso. Choremos sem vergonha das nossas lágrimas doídas, assim estaremos lavando as tristezas para fora de nós e guardando apenas as lembranças boas, aquelas que deixam um sorriso bobo e fora de hora no rosto da gente.


"E pra minha alma não criar ferrugem / Salto para as nuvens" (Lula Côrtes)
Que faças uma boa viagem, meu mestre querido. Continuo admirando o teu salto e a tua obra.


PS: O documentário chama-se "Eles sonharam abraçar o mundo".

2 comentários:

ex-amnésico disse...

Os verdadeiros artistas são tão raros que deveriam ser eternos. Mas isso seria condená-los ao Infinito Tédio, que eles certamente não merecem.

Que a viagem prossiga.

leila saads disse...

Vou procurar esse documentário. No ano passado vi um que foi concluído muito pouco antes da morte do Lula, ele se chama Paêbirú - Nas Paredes da Pedra Encantada. Gostei muito pelas histórias que traz, e por nos apresentar a figura do Lula com tamanha intimidade, mas não achei o filme muito bom no geral.