Meus 22 anos...

Sei que não sou mais o que fui ontem. Tenho em mim um vazio imensurável, uma tristeza oca, um peso que me prende ao chão e não me deixa seguir em frente. A única opção que me resta é sentar e abraçar meu próprio corpo, fechar-me em uma redoma de pele e pêlos. Deixar que o tempo passe, o mundo gire e as coisas aconteçam, acostumando-me novamente à solidão. Um estar só que vai além da falta de presença alheia, é a ausência de tudo. Os sentimentos, que um dia fizeram de mim quem fui, extinguem-se diante dos meus olhos. Espero por mais três anos de clausura, autoconhecimento e auto-suficiência. Espero por mais amores passageiros, sem nenhum significado, que de nada merecem tal denominação. Espero por quantos mais anos forem necessários até que consiga aprender a lidar com a força do que guardo em mim. Choro ao escrever essas poucas e mal traçadas linhas. Choro e de repente descubro que o que hoje está oco, ainda reclama a ausência daquilo que o preenchia.

47 comentários:

Camila. disse...

Quanta beleza.

E sempre falta.

Daniela Pereira disse...

Já é uma companhia a própria ausência . No entanto, ainda há esperança. O mundo pode desistir de nós, mas nós não podemos desistir :)

*

Critical Watcher disse...

O vazio sempre vai existir., pois a felicidade plena nunca acontece.
Conseguimos, no entanto, momentos de felicidade. Jóias raras do tempo; com todo mundo é assim... Mais amores e mais preenchimento.
Beijo.

Jaya disse...

A força do que você guarda sem si, é o que me faz sentir a delícia da tua escrita. Mesmo assim, oca - tão pesada.

Que os 22 sejam motivadores dos próximos. Ausência presente, chega a ser doce.

Te beijo, com carinho.

o amnésico disse...

Uma verdade tornada clichê por muito repetida por quem nunca a teve diante de si, mas ainda uma verdade: a alma está sozinha, sempre. Sempre consigo mesma; ela não pode "voltar", nem às outras almas, nem à Deus, nem a coisa alguma. E não interessa o que os Sábios das Eras digam.
Mas ela pode caminhar junto; com Deus, com as outras almas, com tudo que existe. E por que não haveria de fazê-lo?

O Vazio é uma ordália, uma passagem, um prêmio: um dia, ele chega para tudo e para todos e o que nos resta é encará-lo, dê no que dê.


Invertemos os papéis, não foi? Difícil será dizer qual de nós estará mais surpreso e/ou atemorizado...
Tranque-se se achar necessário. Paralise sua vida, se não souber o que fazer.

Isso ainda é você; você é única e sempre vai ser. Pode resultar numa carga, mas nunca deixará de ser um privilégio, por mais vezes que esse fato seja esquecido!

O centro do seu Labirinto anseia por você. Conquiste o que é seu! Mereça-se! Conquiste-se!



Beijo de seu companheiro de jornada!

Renato disse...

Beliscão grande em vc!

Vcs abe que não se apressa a arte... :P


Aproveitando... Parabéns!!!

Sunflower disse...

Parabéns, para essa alma velha no corpo de uma moiçola.

beijaaaaaaaas

Welker disse...

As flores um dia haverão de murchar...

L.S. Alves disse...

Esses vazios vem e vão. De certa forma são momentos em que nós exigimos de nós mesmos uma reflexão sobre a nossa própria vida.
Moça um abraço e boa sorte.

XD disse...

Fazia tempo que não lia algo tão belo, parabéns.

julio.de.castro disse...

conheces o caminho do trigo, meu anjo. siga-o se quiser.

Livia Queiroz disse...

Lindo...Intenso...Triste...
Quanta dor pode caber numa alma?
Sempre me fiz essa pergunta quando as coisas pareciam menos interessantes, ou ja não eram como dantes... nunca obtive a resposta exata.

Belissimo texto!

bjaum

Laetitia disse...

Adoro esta palavra "imesuravel"...

Francieli Hess disse...

Talvez a solidão ainda seja a melhor companhia; digo isso e sei que lhe chegará aonde deve, pois, em débeis e tristes momentos, entendemos a alma dos que nos falam.

Então, me passa teu e-mail do blogger? Vou deixar aberto só pra convidados, estou tendo problemas com os escritos.

Ane Talita disse...

(te afago o cabelos e beijo na bochecha)

e ficamos assim, quietinhas...

Carol disse...

Muito intenso e bastante apressado. É com calma que se vive. Calma.

Leo Lemos... disse...

bebo dessa fonte. e beberei cada vez mais daqui pro final.

Tudo de bom que quiseres.

Lari. disse...

Triste, porém lindo.
Ainda é cedo, eu posso te dizer. Ainda não tenho meus 22 anos, mas já vivi vazios e sei que eles voltarão. Sei que, talvez, eles estejam sempre me acompanhando e tudo depende da minha disponibilidade emocional de percebê-los ou não. Penso que no futuro, com mente e alma maduros, eu seja capaz de ignorar com veemência todos esses vazios que me cercam e viver uma vida mais feliz (na medida do possível).
BEijo;*
E que os seus olhos consigam enxergar a vida por outras janelas que te façam sentir menos solitária.

Lee disse...

Tudo se encerra em uma constante queda, onde nada pode deter o movimento vicioso pelo qual nos encontramos perdidos.
O vazio de nossas almas, o vazio de nossos estomagos, a miséria toma conta quando se revela a realidade por de tras da fantasia e do sonho.
Tornamo-nos satelites de uma existência sem sentido, observamos tudo contra nossa vontade pois não podemos nos despreender dessa ligação auto destrutiva que temos de nos com nos mesmsos...

k. disse...

olá moça das belas escritas.
andei muito afastada daqui. e vi seu comentario como sempre muito bem vindo; obrigada por se lembrar ainda de mim.
estou tentando voltar com o blog.

uma flor a vc

Mariliza Silva disse...

O vazio é necessário para descubrirmo o que realmente nos preenche!

Beijos linda e saudades

Mariliza

lizzie disse...

A existência é mesmo um labirinto e seus caminhos não são constatáveis. Conforme vamos acumulando vivências, as coisas idas se tornam claras e as coisas que chegam vão se tornando mais estranhas e insensatas. Mas... Quê se há de fazer?!? Viver e se deixar viver.
Que muitos outros anos venham, de aprendizados contínuos.

Beijocas
www.lizziepohlmann.com

Livia Queiroz disse...

Oie...

recebi um Meme e repassei pra vc!
vai lá no meu blog pegar


bjoks

Larissa Cruz disse...

Lindas palavras
Deixo aqui a indicação do Prêmio Dardos, caso aceite entra no meu blog e veja as regras!
Bjus

Jaya disse...

Cadê?

Você some, e eu me desoriento.

Deixo um sopro, de beijo.

Ana Gotz disse...

Linda!

Lúcia disse...

Nenhum ciclo é completo sem o seu inverno... ;)

Érica disse...

É a busca eterna do ser. É necessário sentir para se descobrir.
Sorte sua que sente tanto e consegue escrever em poucas e mal traçadas linhas sentimentos reais das dores sem nome.

Um grande beijo.

Paulo Fernando disse...

O dia que estivermos completamente felizes com aquilo que temos, será o dia em que a nossa necessidade de viver será cessada. O combustível de quem escreve - e de quem vive - não é muito diferente. Fique bem claro que não estou separando os escritores dos meros mortais. Assim como eu e você, os outros também têm pele, carne e osso. rs
Têm espírito, seja de luz ou não.

Já lhe desejei um feliz aniversário pelo Orkut, ou melhor, um feliz todos os dias. Sabe, a vantagem de não termos nos contentado com o que possuímos - ou somos - é a possibilidade de se rearranjar. O blog, não para variar, continua com textos deliciosamente intimistas. Te sinto toda vez que leio.

Bjos, minha querida.

meninamulher disse...

há....que belas linhas,belas palavras...
um grande beijo
Dayanelacerdaq@gmail.com
opbs:no meu blog tbm escri dos meus 22 anos rssss
bj day

Cais da Língua disse...

Nuss!
também sinto isso
:s

..onde fica marraquexe.. disse...

E ainda escrevemos... E ólha só...
Paz

Jorge

Natalia Fênix Gótica disse...

Sei bem como é estar só... vazia de sentimentos ^^

Jeniffer Pinho disse...

perfeição!

e ainda me identifique xD

beijos e boa semana!

Mr. Ziggy disse...

"É impossível ser feliz sozinho"

E o resto é reticência, apesar da beleza das suas palavras. O fato é que não acredito na autosuficiência. Meu beijo pra você!

Zy

Deva_neios disse...

No meu entender, todos os sentires fazem parte das possibilidades do EU. És tu que os desperta.

Forever disse...

Quanta simplicidade em transformar o que se pensa, o que se diz em o que se escreve.
vou voltar aqui mais vezes :)
gostaria que acompanhasse também o meu. beijos

Gabriela. disse...

Nao está mais blogando?

Jaya disse...

A noite, hoje pedia um texto teu.

Ana Gotz disse...

Saudade de suas palavras!

Mariliza Silva disse...

Minha Linda

Renovei nossa casa: o blog “tempodesaturno.blogspot.com”

e agora com meus amigos blogueiros linkados devidamente para que eu possa acompanhá-los com mais frequência!

Visite também meu novo blog “comentariosnotempo.blogspot.com” (anexo do Tempo de Saturno) com os Comentários em forma de poesia que recebi nos posts do Tempo.

Aguardo sua visita!

Sugestões são bem vindas!

Um grande abraço

Mariliza Silva

Caroline disse...

Tudo, menos solidão...

Belíssimo texto.

Beijo!!

k. disse...

oi; meu blog antes era o ladysuicide; mais agora estou com outro nome. estou passando só pra dar uma avisada :) um beijo

http://colherdesopafria.blogspot.com

Ane Talita disse...

saudades dos seus devaneios...

Gilgomex™ disse...

fora do contexto do texto... mas lendo o título do post...
eu tenho certeza que algum dia na minha vida eu já tive 22 anos... mas realmente não parece... sei lá...

C. Maurício disse...

"Deixe ser, deixe estar, o mundo anda por si mesmo"

Com certeza é tentador, mas será que vale a pena?

Dorothy C. S. disse...

Cadê vc moça?

Passo sempre por aqui e nada de vc...

Saudades!!!