Fragmento

...ao fim de cada noite, com as últimas forças que lhe restam, ela tira a roupa do corpo, a colcha da cama e deita. Deixa sair as lágrimas guardadas de um dia inteiro. Vinte e quatro horas de fingimento, de sorrisos vazios, acenos de cabeça, conversas sem cor e olhares que fitam, mas não enxergam por que teimam em sonhar. Ainda. Teimam em querer ver o que não está mais à vista e nem quer estar. Pensa em como foi difícil suportar o peso das lembranças que não a deixam nem por um minuto sequer, não dão trégua e fortalecem ao mínimo sinal: um cheiro, uma voz, um nome gritado por qualquer razão que seja, por uma boca desconhecida, mas um nome familiar. Cheio de sentimento. Cheio de tristeza...

20 comentários:

PequenAprendiz disse...

É impressionante como esses "pequenos detalhes", que poderiam muito bem passar despercebidos por qualquer outra pessoa, se infiltram no nosso meio, nas nossas coisas, na gente.
Um cheiro, um gesto, uma música.
Não sei o que é pior, tentar se livrar ou ter que aceitar conviver com essas lembranças.

G.S disse...

Tentar se livrar...

Jaya disse...

Esse vazio que pesa. E rasga. E faz querer. E traz lembrança. Esses fragmentos. Pedaços. Será que se juntar a gente consegue um inteiro, Bárbara?

Fico desejando assim.

Uns beijos.

[Moça, tranca isso aqui mais nãaaao, que você me põe doida! Rs.].

Cais da Língua disse...

É alegre ser triste.

as vezes venho aqui e tá bloquado, não bloquei não, plixxx.
hauhahau
bjo

Ane Talita disse...

Ahhh...finalmente consegui voltar a ler tuas palavras!!! =)

Todo mundo tem um pouco disso dentro de si...É preciso saber a hora de por para fora...

beijos, flor.

PequenAprendiz disse...

Olá Dona B.
Selos de presente para a Srta. no meu blog, com muito, muito carinho.
Sabes o quanto te admiro moça.
Beijos

Mariliza Silva disse...

Meu anjo

Estes sentimentos rodam minha mente e coração também! Como você ao te decifrar, desvendou o que finjo não sentir?!?!...

a verdade nunca cala

beijos
Mariliza

Leila Saads disse...

Lembranças são tão leves, mas como pesam dentro da gente. Continuamos vivendo com seus pesos sobre nós, pesos que ninguém vê - não dá para julgar, também não vemos os tantos pesos que carregam outras pessoas.

Lindo texto!

Camila disse...

Volta.

Monsieur Coçard disse...

Transparecer força não é pra qualquer um... uma hora o guerreiro cai...

gilgomex disse...

faz tempo que esse texto tá aí... onde está B.?
esse texto me faz interpretar (e tenho certeza que estou errado) uma vontade de chifrar alguém.
fingindo com um e relembrando outro.
ou talvez seja só saudades mesmo.
e talvez eu esteja totalmente sem noção.

Sr. Poetæ Devassus disse...

como ela é Bela!
Leia meu conto Alice no outro blog... Acho que se casam bem...

Sonebald disse...

O sol nasce e então começa tudo de novo. A esperança e o medo andando juntos, se encarando e esperando alguma resposta. Um dia novo virá.

Ótima escrita, Bárbara ;D

Ana Gabi disse...

nossa...

vc escreve de forma tão poética.

Pedro Gabriel disse...

Oláa Bárbara,
Fazia tempo que não estava mais lendo, escrveendo. Comecei a trabalhar numa agência de publicidade, fiquei com tempo curtíssimo. Mas agora estou de volta. É o que mais gosto de fazer: escrever!
Vou voltar a acompanhar os blogs que eu acompanhava.

beijos
e nos vemos entre postagens!

Mr. Ziggy disse...

Fragmento dotado de completude, o seu. Beijo!

Paulo Fernando disse...

São reflexões como estas que dilaceram e, concamitantemente, apaziguam o espírito. A tristeza é uma consequencia necessária para o complemento da vida.


Bjos, minha queridíssima companheira.

VOLTEI PARA FICAR. AQUI REALMENTE É O MEU LUGAR. A "VERDADE NUA" ESTÁ DE CARA E CORES NOVAS. VÁ CONFERIR.

PS: O ANABRU ADORMECEU, MAS NÃO ESTÁ MORTO. QUEM VIVER, VERÁ! VAMOS FAZER DAQUILO UM BEST SELLER, ACREDITE.

BJOS NOVAMENTE.

Morganna disse...

les jours tristes.

Natalia Fênix Gótica disse...

Bem acho que todos sabemos como é ver em algo pequeno um detalhe algo que nos toca e até que nos magoa ^^

Anônimo disse...

Aprendi muito