Divinos Olhos Cor-de-Ardósia

O que será que tem nesses olhos teus? O que será que tem?

Quase um Deus. Um ser, hora mítico, hora tão real quanto palpável. Aquele que ronda os pensamentos de mulheres maduras, jovens apaixonadas e, por que não dizer, homens deslumbrados. A figura de Francisco Buarque de Hollanda é, de fato, fascinante. O talento excessivo, o perfil tímido, o olhar perdido, até o jeito meio desligado e esquecido parecem ter um quê de sobre-humano.
As fãs ardorosas do multifacetado artista descabelam-se com a visão do semi-Deus, seja em cena, em cima do palco ou despreocupado, andando pelas ruas do Leblon, no Rio de Janeiro. Elas o agarram, pulam em cima, arranham e machucam, sem perceber. Na hora do desespero, nem notam a besteira que fazem, só querem poder estar perto, beijar, abraçar, sugar um pouco da aura mágica que circunda o corpo daquele homem e, claro, conseguir as provas cabais da aproximação: o autógrafo, de preferência um que contenha alguma declaração de amor ou aprovação pela admiração imensurável, e a foto, aquela em que os olhos saem vermelhos, a expressão um tanto cômica ou desesperada, mas que mostra que ele estava ali, ao lado dela, escrevendo algo para ela, simplesmente dedicando alguns minutos de sua existência a ela. Maior honra não poderia haver.
Em um pedestal, a imagem do cantor, compositor, escritor e poeta parece intocável, distante demais da vida dos meros mortais. Como um mito, quiçá uma ilusão. As palavras ditas em canções ou páginas de livros traçam destinos, moldam realidades, tornando-se verdades absolutas que acalentam e alimentam corações solitários e mentes inquietas. Chico, para elas, é uma presença ausente, é o sobrenatural que encanta, que precisa ser adorado, idolatrado, endeusado, pois merece, pois não tem explicação, pois não há como ser simplesmente igual a todos nós.
Mas como fica o alvo de tantos suspiros de admiração? Como se sente ao olhar-se no espelho, depois de uma noite mal dormida, e encontrar olheiras, remelas, cabelos bagunçados, sinais da velhice chegando e cansaço em seu rosto? Ao falar com alguém e perceber que está com mau hálito ou correr para o banheiro ao chamado das necessidades mais primitivas? Ao beber até cair tonto no chão dias e dias seguidos? Ao ver-se nos braços de mulheres que não aquela a quem um dia jurou fidelidade e perceber que talvez seja um cafajeste como qualquer outro? Sentindo fome, sono, frio, medo, angústia, tristeza, alegria, amor. Passando dias sem inspiração de nenhum tipo, sem vontade de fazer nada. Esquecendo da vida e das pessoas, como esquece das letras das músicas. Ele vê-se humano, percebe-se humano, pois é o que ele é, sua condição sine qua non.
Atura ainda os que o criticam. Não gostam do seu jeito de escrever o amor ou a vida ou o momento presente: muito açucarado, muito idealista, muito apaixonado, dizem. Nem do seu jeito de cantar, pois supostamente não tem o timbre de voz perfeito, nem a melhor afinação. Pior é o seu jeito de escrever, não tem talento para a literatura, eles não sabem o porquê ele foi enveredar-se por esses caminhos. De carisma, então, é totalmente desprovido, é muito retraído, muito calado, muito quieto. Há ainda o despeito, o sabor amargo de não conseguir ser metade do que ele é ou representa para as suas milhares de seguidoras, de não conseguir enfeitiçar, de não conseguir ser Chico Buarque.
Por que os olhos cor-de-ardósia são só dele...

38 comentários:

Carlos disse...

Às vezes damos demasiada importância à vida de outras pessoas que as julgamos terem destinos separados dos nossos, como se não fossemos nos encontrar no ponto único onde todos os destinos convergem. "O desaparecimento de tão bela alma, e tão exemplar, não valerá mais do que o da mais inútil? Esta vida que tantas outras sustenta, pela qual tantos se interessam, com tantas funções e cargos, deverá ser deitada fora como qualquer outra insignificante?"

Não consegui ler seu texto sem deixar de lembrar daquela vez que eu lhe disse que o Chico foi lá na faculdade, e que eu não peguei nenhum autógrafo dele, nem tirei foto, nem cumprimentei, nem passei a mão, nem fiquei cheirando o assento onde ele se sentou para assistir à defesa de tese da filha dele. Mas desconfio que alguém chegou a fazer essas mesmas coisas.

Ele parecia ser um cara tão comum, não vi nenhuma borboleta flutuando em volta dele.

Mas não me odeie por isso, cherry. Pelo amor de Deus. Não! Pelo amor de Chico Buarque!

Mariliza Silva disse...

Minha querida amiga,
Desculpe minha ausência. Estou totalmente envolvida com um concurso público que vou prestar no fim deste mês e não estou tendo cabeça para navegar na net, acredita!!! Mas se Deus quiser isso tudo acaba dia 29/06 e aí voltarei a respirar meus amigos que prezo tanto.
Sinto-me acarinhada cada vez que você me visita. Não pense que esqueci de você. Adoro vir aqui, mas não quero vir correndo e não poder aproveitar tudo que você nos propõe.
Aguarde-me que em Julho estarei na ativa novamente.
Beijos brasileiros
Mariliza

/L. disse...

Realmente o Chico Buarquee um símbolo d que as pessoas não adoram os seus "ídolos" pela voz ou por isso e aquilo. Ele não tem nada e ao mesmo tempo tem tudo.
Sua voz? Pode não ter o timbre perfeito, mas encantam moças apaixonadas e sonhadora, igual ao próprio.
Ele não deixa/nunca deixou a fama subir à cabeça, seu jeito "nada carismático" mostra que ele trabalha, ele sonha e continua à ser o mesmo.
E assim continua agradando jovens e maduras... E eu sou um exemplo dessas apaixonadas pela voz desafinada, pela literatura descabida, pelo jeito surreal e pelo hoemm nada carismático que se chama Francisco Buarque de Holanda

o amnésico disse...

Se por 'comum' o Carlos entende uma pessoa como as outras seis bilhões e tantas que habitam esse pequeno planeta, então eu concordo.

Mas, singularizado como poeta e autor, tenho que reconhecer, o cara é f***!

E eu continuo sem saber o que comentar quando venho aqui: quando não é o sangue fervendo, é o nó na garganta...

Beijo!

p.s.: Cá entre nós, pra desligar eu costumo apelar pra Fada Verde, mas não aconselho isso pra mais ninguém: a 'volta' é terrível!

Maria Fernanda disse...

Que declaração doce.

Ataualpa S.Pereira disse...

Saudações!

Se todas os fãs assim o fizessem, ele teria uma vida mais tranquila.

E eu, como chato que sou, não o acho um bom intérprete. Minha única ressalva.

Um abraço, moça.

Three Love's disse...

acho que você está apaixonada....

rsrsrsrs...
mas que o texto ficou elegantemente doce e lindo, ficou.

Bruna disse...

Assim eu me apaixono mais por ele...

Leila Saads disse...

Excelente texto. Você escreve muito bem, com a naturalidade de quem nasceu com um dom.

E o assunto, então. Ah, esse não poderia ser melhor. Sou uma dessas fãs descabeladas, admiradoras nada secretas desses olhos, dessa timidez, dessas palavras que sempre traduzem o que parece impossível de descrever... Uma fã, como tantas, como tantos.


Beijos!

Ariana disse...

Bela declaração!

Beijo*

Fala, Garoto! disse...

Os olhos dizem tudo, refletem a alma da pessoa. A primeira coisa que eu reparo na pessoa alheia é o olhar! Bj

Leo Lemos... disse...

uauauaua!

Ah, Chico! Estou todo molhado só em pensar em vc!

babi, babi, babi, babi, minha honey babi! Vc e Chico, sempre...

Banana disse...

é impressionante como, no que diz respeito a esse homem, todas as mulheres entram em acordo, né?

impressionante, Chico, impressionante...

Reflexões de uns dias... disse...

Ah, o chico...

o chico da Bárbara...

Critical Watcher disse...

Bárbara!
Você é surpreendente!
Saudadesss muitas de você!
Beijão!

Thiago Lira disse...

O unico homem na façe da terra em quem eu daria um apaixonado beijo na boca.

Ane Talita disse...

Ai...O Chico...

....O Buarque, é o Chico!

=)

Lindo, o texto e ele!

beijo!

Sunflower disse...

Juro que eu não dava pra ele.

Mas seu texto é lindo.

Edna Federico disse...

Que bonito, hein....
Beijo

Monsieur Coçard disse...

eu só ia ler, mas pra depois você não me jogar na cara que eu só leio e não comento... :D

FABIANO GUIMARÃES disse...

Barbara
Tens que escrever o livro devaneios e loucuras
o blog mais lido e comentado da Veneza Brasileira

...amigos acontecem... disse...

uau, que sintese!
Para poucos que são muitos..
Salve Chico Buarque! O misterioso simples... e vice-ersa!

Jaya disse...

Olha, Bárbara, tá querendo brigar comigo, né? Rs. Fiquei toooda enciumada com essas tuas palavras escritas num vermelho tão encarnado quando o amor. Palavras escritas a Chico, por quem divido um pedaço de paixão. Nem tanto pela pessoa em si, mas pelo mundo de arte que ele carrega consigo e ainda consegue dividir com a gente. Apesar. E sem pesar.

Os olhos cor-de-ardósia são só dele. E isso explica todas as palavras que me faltam.

Ai, ai...

Bom, eu vim aqui no teu canto de devaneios, primeiramente, agradecer tua visita em minha casa. Daí fui ficando, ficando... Li alguns textos. Li as coisas espalhadas. E claro, me passei com esse vermelho bonito.

Tão aconchegante aqui, moça.
Voltarei.

Beijos e beijos.

Alec disse...

Bonito texto... Mas... Ai meus olhos... rs...

Francieli Hess disse...

Sempre penso em sair do blogger. Mas quando eu venho aqui para ler teus textos, digo para mim mesma 'puta que pariu, aqui é meu lugar!'

disse...

Outro dia eu disse a alguém que tinha visto uma fotos de uma amiga no Oceano Atlântico na estada dela em Cuba e eu disse que aquela cor só existe no Atlântico e nos olhos do Chico. E é verdade. Olhos como esses têm que ser raros.

M. [doc] B. disse...

Francisco Buarque.
Ele consegue transmitir o que sinto, ir mais além do que eu sinto, penso.
A primeira música que ouvi dele foi Valsinha, desde então percebi algo diferente e surreal que até então nunca havia sentido com nenhuma canção. Hoje, o sentimento se repete a cada vez que ouço, não importa a quantidade de vezes.
De que me importa quem ele é, amo o que ele faz e isso é relevante, acho.
Juntemo-nos fãns loucas de Chiquinho! =D

Sonebald disse...

Hey, vou adicionar o blog no meu, ok? :)

Você é um dos nossos! x]

mary ienke disse...

Incrível como seus textos tocam profundamente!
No sentido literal da palavra hahha

Beijo :D

Dorothy C. S. disse...

Comentário-reclamação:

Cadê você??

Camilinha disse...

oooo menina perdida! volte já da terra do nunca!!!

não se pode ficar criança pra sempre!!!


volte, volte!! rs


beijos daqui...

Miguel Barroso disse...

Volte face. Abraços do EU, SER IMPERFEITO

Renato disse...

Só pra avisar que agora me pareceu um bom momento para voltar.

Então...


Beijos!!

Ana Cláudia Zumpano disse...

voltei!!! e suas loucuras... sempre lindas... agora eu leio sempre! saudade daqui! bjos ;***

Jééé disse...

Olá, vim avisar que o _girl.weblogger acabou agora o link é o do comentario.

O weblogger acabou na verdd. depois eu venho ler e fazer um comentario descente, pq eu ainda estou perdida!

beijão!

Dorothy C.S. disse...

Passo fielmente todos os dias aqui...
na esperança de um devaneio novo...


Aguardando sua volta!

PequenAprendiz disse...

Srta. Bárbara
Por onde andarás?
Saudade das suas letrinhas vermelhas.

Beijos!

Lee disse...

Quis de uma tépida fonte beber, te busquei, em suas palavras não encontrei meio de me saciar, pois mais sede me dás...
Slept, quem sabe lambendo posso um pouco mais fundo dessa fonte alcançar... Rs.