Ysatsce

Parte VI:

A campainha toca pela terceira vez. Ela está muito sonolenta e abre a porta assustada.
- Tu? O que fazes aqui?

A outra entra no apartamento. Está cansada, ofegante.
- Queria ver você.
- Eu? Olha, ele não está por aqui e...
- Vim ver você!
- A essa hora? Não tinhas coisa melhor pra fazer?
- Não.
- Acabaste de me tirar da cama.

Ela fecha o hobby com um laço e anda pela sala enquanto a outra a segue e a observa como se estivesse hipnotizada.
- Eu posso voltar pra cama com você, se quiser.

Ela a olha curiosa, levantando uma das sobrancelhas.
- Queres beber algo?

A outra não responde.
- Vodka, whisky, vinho, tequila?
- O que você quiser está bom.

Ela segura a garrafa de vinho na mão, senta na mesa e cruza as pernas.
- O que mesmo queres aqui comigo?
- Me entregar?
- A mim?
- Sim, quero me enteregar a você.
- E quando decidiste isso?
- Conversei com ele, sei que sabe.
- Sim, sei. Mas não sabia que iria acontecer assim tão rápido. Pelo visto gostaste daquela noite.
- É, eu...
- Já entendi. Não precisas falar mais nada. Tira a tua roupa.

A outra abriu o zíper da calça e os botões da blusa. Despiu-se devagar enquanto fitava o chão, demonstrando uma timidez um tanto quanto forçada.
- Fica de quatro e vem até aqui.

A outra obedeceu. Ela mostrou a bebida e sorriu.
- Queres vinho?
- Quero...
- Abre a boca.

Ela virou a garrafa e acertou os lábios da outra da altura em que estava. Depois derramou um pouco do líquido nos pés, nas pernas, nas coxas e na virilha, fazendo-a beber tudo.
- Tens muito o que aprender.
- Eu sei.
- Não fale, não te permiti isso.
- ...
- Vem aqui. Encosta tua boca e chupa com vontade.

A outra lambeu com urgência o sexo dela. Mordeu, abusou. Ela gemeu, rebolou, deixou-se levar pelo prazer e gozou.
- Agora vai embora. Preciso dormir.
- Pensei que eu iria poder ficar aqui com você...
- Não pense, é melhor.

***

Anteriores:
Parte I
Parte II
Parte III
Parte IV
Parte V

11 comentários:

Ana Cláudia Zumpano disse...

Nossa... estou lendo as outras partes ainda... mas fiquei bem tensa agora... que coisa não, foi como ver um filme aqui sentada de frente o computador. Gostei da descrição dela dando um laço no hobby!
Bárbara, Bárbara vc é custosa...

*Vc tem q aprender a conviver com a insegurança, assim vc se torna mais forte e mais livre também, portanto mais feliz, pq desencana um pouco das coisas pequenas. Agora, pra aprender só tendo mta paciência mesmo, não pode desistir.

Bjos ;*

nj.marabuto disse...

teu pensar é aquele premeditado, do crime preordenado. ah! coração impuro. defenestra o juízo, se abandona em apuros. por isso o não-pensar. sabe ele, a consciência soergueria altiva a cobrar juras com correção e juros...

*meus*

Juliana Caribé disse...

Um prazer submisso e sem igual... E ninguém melhor que você pra contar para a gente assim.

Beijocas,
J.

DanieLa Pereira disse...

Gostei do qe em palavras me transmitistes :)

Beijo qerida :)

Gabriela. disse...

EITA.
Como vc consegue se superar?

Está no mesmo nível ou num melhor de todos os outros.

E pq?

Me deixou ofegante, como os outros.


E sobre o Dois em Um, só ele é de Juazeiro.

Camilinha disse...

É, mulher!

chupa, pois, a vida... que meu ar já és todo teu!!!


beijos daqui...

Sentimental ♥ disse...

Oi Moça, claro q entendo e aceito a resposta lá nos meus comments mesmo...
beijos

Lizzie disse...

Sabe, B... Nos últimos dias o melhor p'ra mim também tem sido não pensar. Infelizmente.


Beijocas, adoro-te!
www.lizziepohlmann.com

Lúcia disse...

Exatamente aquilo que há anos atrás, pensando e pensando, cheguei à conclusão:

"Não pense, é melhor".

Mas, como toda boa teimosa......

Lúcia disse...

pour toi mon ange rouge:


B. Dona de palavras perigosamente perturbadoras. Loucamente lapidadas. Cruelmente provocantes. Deliciosamente lúbricas! Associo o Devaneios & Loucuras a um convidativo e luxuoso sofá de veludo vermelho onde a vontade nos joga sem piedade, cerimônias ou receios. Ali perdemos o controle, os modos. A hora!
Os textos provocam, entorpecem, violam, incitam, excitam, encantam, despertam, inspiram, expiram. Sangram e regeneram. Dilaceram e dão vida. Tudo ao mesmo tempo. Tudo temperado com a inteligência e a sensualidade segura e elegante de alguém que não cabe em comentário, página ou julgamento algum. Tentar falar dessa mulher e de suas palavras é perdê-la: ela foge. Ela é livre. Ela quer o mundo. Ela está certíssima!

Francieli Hess disse...

"Não pense, é melhor"
Oh sim, essa foi uma frase marcante, preciso aprender isso, e logo.
Pois bem, nossas linhas não existem para esconder-nos, querida Bárbara; se assim fosse, não teríamos motivação para escrever. "Escrevemos porque ninguém nos ouve", esta é a verdade sobre os escritos, a verdade absoluta. Nossas linhas são portas para o (in)consciente, mostramo-nos nelas, assim sempre será.