NarraDORa

O som tocava um Cartola choroso, combinando com meu estado emocional. Bela melodia, letra quase autobiográfica (minha, não dele):

"Ouça-me bem, amor, presta atenção, o mundo é um moinho. Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos, vai reduzir as ilusões a pó. Presta atenção, querida, de cada amor tu herdarás só o cinismo, quando notares estás à beira do abismo. Abismo que cavaste com os teus pés..."

E, então, eu pulei. Os braços abertos, sentindo o ar no meu rosto. Sensação extrema de liberdade. Podia voar o tempo que quisesse, podia me confundir com as rajadas de vento, me desfazer por completo. A busca pelos meus sonhos, pelos meus desejos, pelos meus amores, parecia, enfim, possível. Estava flutuando e nunca mais iria cair. Nunca mais.

Na verdade, eu estava no chão. Com a cabeça quase dando um giro de 360 graus. Sangue escorrendo pelos meus lábios, meu nariz, alguma parte do meu crânio que, por sinal, havia rachado. Ainda podia piscar os olhos e sentia uma dor alucinante, mas não mexia nenhuma outra parte do meu corpo. Alguns minutos depois e a pouca vida que tinha comigo foi embora sem, ao menos, se despedir.

Às vezes, esquecia de medir as conseqüências dos meus atos. Em apenas uma delas, os danos não seriam mais reparáveis.

Porra de abismo

Ponto final

***

http://onabru-urbano.blogspot.com/
http://sobremortes.blogspot.com/

8 comentários:

soldadonofront disse...

Esta com prazo de validade vencido!? Nem parece.

Critical Watcher disse...

A verdade é que as coisas são bem assim mesmo. É necessário arriscar-se para poder sentir e viver coisas nunca antes aproveitadas. Gostei da idéia final de abismo. Ao menos, antes da possível morte, você pôde voar e alcançar o que queria...

Parabéns.

Ps.: A onomatopéia ficou boa sim. Beijo, menina linda.

Gabii Moura disse...

Os sonhos, são curtos demais. E a realidade, sempre machuca.

Edna Federico disse...

Nossa, adorei o novo visual!!!!
Beijos

Fê Probst disse...

As coisas nunca funcionam bem como a gente quer. Seria interessante se voassemos alto o suficiente a ponto de entrar em órbita. Assim, o risco de despencar seria praticamente nulo.


Obrigada pelas palavras.

Pushoverboy disse...

Ja pulei diversas vezes do abismo... Se fechar bem os olhos consigo viver tudo o que quero. Não há limites pra imaginação... e no fim do abismo o máximo que acontece é abrir os olhos e tentar refrear o coração que quer escapulir pela boca.
Bom carnaval moça.
Bjo

disse...

O bom é fechar os olhos e torcer pra ser num só golpe.

Pq foste falar de morangos? Agora eu vou ter que sair pra comprar. Deu vontade. :(

Monsieur Coçard disse...

[daltônico] continuo tendo de selecionar o texto para enxergar o que esconde os teus vermelhos. e que porra de abismo.[/daltônico] :D