Atemporal

Sou um ser perdido no meio do nada.
Sou um ser perdido no meio.
Sou um ser perdido.
Sou um ser.
Sou um.
Sou.

Estou perdida no meio do nada.
Estou perdida no meio.
Estou perdida.
Estou.

Vou me perder no meio do nada.
Vou me perder no meio.
Vou me perder.
Vou-me.

Fui.

31 comentários:

Duda disse...

Pow, nem vem...foi criativo!

Vamos nos perder, pq eh assim q nos achamos! :D

Bárbara P. disse...

Esse foi O post.

Jota disse...

Perder-se no meio do nada é o que há, mesmo porque é SÓ o que há!

Ainda tem gente que pensa que a vida tem sentido.

"Mas isso não impede que eu repita/
É bonita, é bonita e é bonita!"

Valeu e obrigado pelo link! Ficou tõõõ munitinho...

Ataualpa S.Pereira disse...

Repito o que disse a um amigo que se manifestou num igual protesto: "Desejo súbito e Concreto".

Um grande abraço, moça.

Valentim disse...

Um poema mordenista que diz muita coisa. Me lembra as brincadeiras que o Augusto de Campos faz com as letras. Beijos.

Thiago Lira disse...

Senti um Drumond, vc também?

=]

é simples assim.
Concreto!
Bjo.

BABI SOLER disse...

As vezes o perder-se é o achar-se e tem um sabor todo especial.

Gabi disse...

É melhor se perder do que acaba se encontrando em alguma esquina por aí.

É,eu vou tentando né?

;)

parabéns,como sempre.

:**

Edson Bezerra disse...

Comentando rapidamente os dois últimos textos.

Que desabafo! Esse povo anda inspirado mesmo. E eu sem criatividade.

Aliás, quisera eu ter a sua capacidade de criar poesias concretas como a que fez. Ficou muito bom!

Mas... não vá! Fique!!!

Beijão

o amnésico disse...

Ou então vá e volte pra nos contar como foi.

Vai poder até se perder outra vez!

Beijo.

Lizzie disse...

PERFEITO!
Aliás...É engraçado dizer isso, mas se eu fosse citar os blogs com que mais me identifico, o seu ficaria em primeiro lugar, babi! Não sei se é a empatia, ou a mesma paixão... Aliás, os gostos igualmente muito parecidos.
Teus posts me encantam!
Beijão

keetby. disse...

como faz bem ler teus registros...

como é otimo; concordo com os outros comentarios; esse foi O post.

Edna Federico disse...

Foi e foi muito bem!!!!!!
Beijo

Daniele disse...

B, e nessa atemporalidade me perdi em meio a beleza do seu Eu.
Inúmeras vezes passei pelo seu blog, deixei comentários e vc. prontamente os retornou. Reitero o que já disse, adoro a forma que escreve, eu lhe acho uma mulher muito inteligente, que saber usar a palavra com propriedade.

Eu peço a sua anuência para fazer um link do seu blog junto ao meu. Se você permitir, por gentileza deixe um comentário no meu blog. Se não anuir entenderei perfeitamente.

Bisou,

Mariliza Silva disse...

A D O R E I !!!!!!!!!!!!

Poesia concreta sei lá, moderna !

Como já comentaram, lembrou CDA!!!

Brilhante, B! B de brilhante!

Beijos mineiros
Mariliza

Ana D disse...

Genial! Me remeteu a Paulo Leminski

Íris cor de mel disse...

Voc� � um g�nio, te disse?!

Engra�ada, leve, sutil, LINDA!

Íris cor de mel disse...

essa iris cor de mel é meu finado blog. quem vos escreve sou eu, Gabriela.

laura disse...

obrigada pelo conselho ^^

é o que tenho feito.. escrevo bastante...
preciso carregar caneta e papel por onde vou
hehe


bjuuus

Elza disse...

é se perdendo que agente se acha, (pelo menos esta é a proposta!)

boa semana.
=]

Rafael Velasquez disse...

ótimo!!!
Muito bom!!!

(som de palmas) Só ruim para escrever onomátopeias. :(

Mais uma vez: ótimo!!!

Mas não vá se perder por aí, só no meio! ;)

Barão Van Blogh disse...

Aqui ando nesta longa caminhada a dar conhecimento da minha página .

"Dei voltas no ar meu corpo rodopiou
Num raio de luz intenso e deslumbrante"

Deixo o convite para passar pelo meu humilde albergue.

Bom domingo .

Ane Talita disse...

Como sempre, adorei!
=)
Na maioria das vezes é preciso perder-se para se achar...
Poesia linda! Concretíssima!

beijo!

julio de castro disse...

perdida no meio? lembre-se que o meio é a mensagem, gafanhoto.

Vieira Calado disse...

Muito bem feito, bem encadeado, ritmado. Parabens. Um abraço.

Bruna Vile disse...

Perde-se!

Anônimo disse...

Eu to perdida no meio. /x



Jéssica /_girl.weblogger.com.br

Fê Probst disse...

Vá, mas volte. ;*

Claudia Lis disse...

Olá,

Essa poesia ficou muito boa! Tanto o conceito quanto a forma visual, o ritmo e a sonoridade que ela ganhou. Adorei!

=)

Beijos

Carlos qualquer coisa disse...

Eis que surjo do nada, qual peido súbito que rasga o silêncio e borra o sossego, para escrever mais um comentário, depois de um cagallhão de gente já ter comentado.

Eu sei o que você acha disso (pelo que você mesma havia me escrito). Então uma avacalhação da minha parte é esperada quando não muito a ser escrito (vou escrever algo sobre isso depois).

Vim para pentelhar você, porque... não sei, devo sentir um certo prazer doentio nisso. Ou talvez não, quem sabe.

Eu também vou. Encontramo-nos no horizonte, abraçamos o infinito e depois voltamos, bestando, pelos caminhos incertos da vida. Pois caminho certo só há um, e todos um dia hão de se encontrar nesse ponto no meio do nada.

Vieira Calado disse...

Obrigado pela visita a meu blog. Bom Domingo.