Vaguei por ruas desertas, escuras e vazias tentando encontrar, desesperada, o amor que, disseste, deixaste para mim.

Encontraste? Pegaste-o e acalentaste-o como farias comigo quando assim pudesses?

Não! Perdi-me, desesperei-me, enlouqueci! Corri sem enxergar sequer onde pisava. Caí diversas vezes, machuquei-me muito. Mudei de rumo com todo a vã agonia, fui parar sei lá onde!

Por que fizeste isso, amor meu? Para quê tanto pavor, tanta insegurança? Não consegues ouvir as vozes do silêncio? Elas dizem que amo-te incondicionalmente, como ninguém nunca amou, nem nunca irá amar.

Lágrimas escorrem sem parar dos meus olhos. Não sei por que as coisas parecem-me tão sem graça. As vejo sem cor, meu bem, sem cor! Imagine!

Acredite em minhas palavras. Não te falo tolices, bela.

Acredito, sempre acreditei. Vivo por conta disso e para isso.

O que há, então? Não me amas mais? Perde-te no teu próprio desamor, no dissabor de perceber que já não significo mais nada? Não valho nem uma letra, uma palavra, uma estrofe, um verso?

Estou confusa, não sei de nada. Preciso do teu amor, mas ele agora está perdido onde eu deveria ter estado. Tenho medo de alguém achá-lo e roubá-lo de mim.

Corra, então. Volte lá, pegue-o pois ele é todo teu!

15 comentários:

Edson Bezerra disse...

A eterna busca.
Quantos já passaram e quantos ainda passarão por isso...

Lari Nakao disse...

Amor amor amor...Nós que complicamos ou ele que nos complica?

Rafael Velasquez disse...

Tudo mundo passa por isso ou já passou e está fadado a passar. Nunca muda.

abraços

Sebastiao Moura disse...

Se vale mesmo a pena, mais do que as outras alternativas, corra!

dän disse...

hey... adorei seu comentáriooo! valeu! obrigada... vc escreve muito, fico até sem jeito...rs.

beijao.

Ataualpa S.Pereira disse...

Jamais profanaria a condição Amor, contudo julga-se tal sentimento como o ápice total entre os pares. Seria mesmo?

Old Memories disse...

Amor... O mais nobre e cruel dos sentimentos. Quando é puro machuca como uma espada incandescente rasgando a pele sem deixar nem uma gota de sangue escapar. Quando é profano embriaga como o mais doce dos vinhos em um êxtase que nos leva aos braços de uma morte risonha. Não a maneira de escapar do sofrimento mesmo quando o amor é certo. A felicidade é sempre momentânea, mas a dor também é. Ou seja, o ser humano que se entrega ao amor é um eterno masoquista, porém, às vezes faz o papel de sádico. Tenho certeza de que esta é a graça da vida. Fico feliz por já ter sofrido e choro por já ter tido um momento de felicidade.
A vida é estranha... Mas se não fosse teria algum sentido? Acho que não. Rssssssss
Lindo texto.
Beijos
Tadeu
P s : Apesar de não ter comentado os textos anteriores li todos e adorei. Estava sem inspiração para escrever rsssssss Bloqueio, às vezes acontece. Bem... A historia do motel é mais um que entrou na lista dos merecedores de uma versão cinematográfica.

Mila disse...

E se um dia cansarmos de tanto correr atrás?
Talvez o amor não esteja mais lá, é triste, mas alguém pode mesmo roubá-lo.

;*

Lanark disse...

A carta supostamente é verdadeira, não fui quem inventou não.


0___o

Monsieur Coçard disse...

run mothafucka, run, e pega logo esse amor! heuheuhe

beijos

Fê Probst disse...

Amor, amor. Insiste em nos fazer loucos...

Wagner disse...

como diria Chico science, "o medo dá origem ao mal"!

abraços...

Bárbara P. disse...

É!! Por que é sempre tão difícil de enxergar??

E, de vez em quando, qualquer coisa além das palavras pode funcionar...

Thiago Kuerques disse...

Faz total sentido quando me recaio no pior dos "pontos finais" por qual passei.

É o amor. Tão humano assim. Tão bom e ruim.

beijos

diego bueno disse...

o mais interessante de posts seus como estes é notar o qto vc curte sensações intensas...tudo ou nada...sem meio-termos...


"O que há, então? Não me amas mais? Perde-te no teu próprio desamor, no dissabor de perceber que já não significo mais nada?"...sou viciado nessas frases de efeito q possuem uma lógica assustadora...


até...um abraço...