Sinto-me como em um quadro do Dalí, tudo muito surreal em, absolutamente, todos os sentidos. Consigo até escutar as risadas do Grande Mestre, acompanhado do Magritte (ou seria o Picasso?). Eles riem das minhas caretas, assombrada com as cenas que vejo, embaixo de tigres que voam, ao lado de relógios distorcidos, saindo, eu mesma, da boca de peixes gigantes. Nunca me imaginei em uma situação dessas. Não que seja ruim, mas não é nada previsível.

2 comentários:

Ataualpa S.Pereira disse...

Os 'Efeitos atávicos' pós surrealismo marcam...

Você está no país do Louvre. Apreoveite!

Até breve.

Paulo Fernando disse...

Eu tive visões similares as suas, quando fui sedado para uma cirurgia no pulso, há alguns anos atrás... Mas eu estava sedado, fique claro! rsrs

bjos, minha linda!